Historial

2015

auel Per

2014

 

Samuel Pereira, elemento do grupo de foclore à cerca de 13 anos, realiza o primeiro site oficial da Casa do Povo de Válega como forma de divulgar a cultura e a tradição, assim como as principais atividades da colectividade.

O principal destaque é dado ao grupo de foclore, ao Museu Etnográfico de Válega (MEV) e à troupe de reis da casa do povo de Válega.

2008

O museu sofreu uma profunda reestruturação quer ao nível físico quer conceptual. Sofreu uma pequena reorganização espacial, de forma a melhor servir o seu público bem como cumprir os seus reformulados objectivos e missão.

O MEV está alojado no edifício da Casa do Povo de Válega, um antigo solar rural do início do séc. XVIII, composto por habitação e capela anexa que se encontra classificada como Valor Concelhio (VC, Dsp. Março 1985). Por ano é apresentado quatro exposições temporárias nas suas instalações, todas as peças são devidamente registadas, inventariadas, e tratadas.

Visite-nos!

1999

Teresa Amaral, antiga funcionária da Casa do Povo de Válega, é eleita Presidente da colectividade, um ano apôs, em 2000 o Museu abre ao público, através de Protocolo que é feito com a Câmara Municipal de Ovar.

1998

Foi inaugurado o Museu Etnográfico de Válega (MEV). Este museu surge em resultado de aturadas recolhas efectuadas na vila e freguesia de Válega, possuindo no seu espólio cerca de 3000 peças, devidamente catalogadas, sendo o fiel depositário do espólio a Casa do Povo de Válega que tem nele fonte viva inesgotável para as suas diversas actividades de cariz etnográfico, a saber, dança tradicional, exposições etnográficas, esfarrapadas, desfolhadas, mercados à moda antiga, desfiles etnográficos, mostras gastronómicas, etc.

1997

Surgiu de forma espontânea a Troupe de Reis da Casa do Povo de Válega, com o objectivo de promover a continuidade da tradição sendo composta por pessoas de diferentes idades. A troupe utiliza uma variedade de instrumentos musicais, dentro dos quais pode-se destacar a viola, o bandolim, o violino, a flauta de bisel e a transversal, onde o desempenho vocal assume uma grande importância, manifestando-se em belas exibições de coros e solistas.

1995

Na presidência de Vítor Almeida surge uma equipa de Futebol de 11, que participava em torneios organizados pelo Inatel. A sua existência foi curta, devido a vários problemas de logística.

1992

A direcção é renovada, Sr. Vítor Almeida é Presidente da nova direcção Casa do Povo de Válega, passando o Sr. Armando e restantes para corpos gerentes da colectividade. Esta direcção realizou várias actividades, destacando-se de entre elas algumas Exposições Etno-folclóricas de qualidade excepcional.

1989

A Teresa Amaral, funcionária da Casa do Povo, propõe à Direcção a formação de um Grupo de Folclore, que foi aceite de imediato. Após aprovação da ideia principiou o trabalho árduo na recolha de informação, várias pessoas foram contactadas, entre elas o falecido Sr. José Maria Marques, na altura Vice-Presidente da Federação de Folclore, Dr.ª Manuela Maia, delegada do Inatel, para além de particulares. Concluída a recolha formou-se um grupo infantil e iniciaram-se os ensaios, confeccionaram-se trajes e o grupo estreou-se a 14 de Agosto de 1989 na festa da padroeira na vila de Válega.

1985

Através do Dec-Lei 185/85 é extinta a Junta Central das Casa do Povo, passando estas a serem consideradas colectividades de Utilidade Pública. Nesta altura a Direcção admite uma nova funcionária, Teresa Amaral, pois as existentes iriam a breve prazo deixar de trabalhar em Válega, passariam para a Segurança Social, em Ovar. Com a nova lei, era urgente pensar em alguma actividade forte que implementasse e aguentasse a colectividade. Desde sempre a Casa do Povo tinha dado apoio a várias actividades promovidas por outras colectividades, desde o teatro, ténis de mesa, escolas de música, e etc. Com a construção da Sede da Casa do Povo finalizada abandonou-se a sala no edifício da Junta de Freguesia.

1982

Com o Dec-Lei 4/82 é retirada a Tutela do Centro Regional. Continuamos com a Junta Central da Casa do Povo e a receber as quotas dos contribuintes. A Segurança Social continuou a ser recebida na Casa do Povo. Nesta altura já a Direcção da Casa do Povo constituída pelo Sr. Armando de Almeida, Sr. João Manuel Resende de pinho e Sr. Manuel Mendonça, tinha envidado esforços para conseguir a doação da Casa da Capela, colocou projectos para recuperação, conseguindo que estas obras fossem subsidiadas, com a publicação em Diário da República.

1973

A Casa do Povo de Válega surge em 1973, para apoiar os trabalhadores rurais sobrevivendo com verbas que vinham da Junta Central, do Centro Regional e das quotas pagas por todos quantos possuíam terrenos na Vila, estas quotas eram obrigatórias. Além da Junta Central da Casa do Povo dar apoio monetário oferecia também apoio jurídico e tínha a tutela do Centro Regional de Segurança Social, que para além de atribuir verbas para a sua subsistência, usava-a para elo de ligação entre a segurança social e a população da Vila.